COMO FUNCIONA

Este blog foi criado num Domingo chuvoso daí www.domingoamigo.blogspot.com/!

Pensando em leitores que não se animam a manter um blog pessoalmente, e os bloggers, que desejosos de atingir outros leitores, além dos seus habituais, gostariam, vez por outra, de postar num blog COLETIVO, criamos a SOCIEDADE ANÔNIMA, onde você poderá postar, sempre que tiver vontade!

Para fazer parte dos AUTORES do blog basta escrever para: cimitan@terra.com.br, solicitando sua inclusão, como membro do SOCIEDADE ANÔNIMA. Mande seu nome, e endereço de e-mail, para ser registrado. Só não pode deixar de assinar seus posts! E será responsabilizado pelo seu conteúdo.

A gerência se reserva ao direito de excluir o participante cujo comportamento não for condizente com o do grupo.

17.1.13

Frases do Autor de "Não Preciso de Fim Para Chegar".

Desde o Histórias da Unha do Dedão do Pé do Fim do Mundo, me encantei com Manoel de Barros. Durante o fazimento do artigo, pensei em fazer outro com frases deste ilustre Poeta cuiabano, com passaporte carimbado com vistos da Terra. Não só a Terra planeta, mas a terra chão, coisa ali próximo dos pés, "do chão e do pequeno". Figura fácil de amar, só de vê o sorriso. 
Acabei mudando de ideia, e resolvi então, incluir às frases - extraídas do Manoel de Barros - Trechos e Frases, e também algumas linhas de seus 96 anos de vida, obras e prêmios. 
Não gostei porque ficou extenso, e reduzi o texto para o que você lê agora. O excesso dará corpo ao terceiro artigo, mais a frente. Assim, aguardem outros Manoel de Barros virão.
Manoel Wenceslau Leite de Barros nasceu em Cuiabá (MT) no Beco da Marinha, beira do Rio Cuiabá, em 19 de dezembro de 1916. Ainda novo, foi morar em Corumbá (MS) e mais tarde no Rio de Janeiro, onde estudou Direito. Viajou pela Bolívia e Peru, morou em Nova York, captou em cada um dos lugares por onde passava um pouco da essência da liberdade, que aplicaria em suas poesias. 
Tinha um ano de idade quando o pai decidiu fundar fazenda com a família no Pantanal: construir rancho, cercar terras, amansar gado selvagem. Nequinho, como era chamado carinhosamente pelos familiares, cresceu brincando no terreiro em frente à casa, pé no chão, entre os currais e as coisas "desimportantes" que marcariam sua obra para sempre. "Ali o que eu tinha era ver os movimentos, a atrapalhação das formigas, caramujos, lagartixas. Era o apogeu do chão e do pequeno."
Atualmente Manoel de Barros mora em Campo Grande (MS). É advogado, fazendeiro e poeta.
Fonte:

Um comentário:

Janice Adja disse...

Ele é ótimo. Tem muita coisas engraçadas e que fazem parte do nosso folclore e devem ser sublinhadas.
Beijos!!
Vocês deveriam tirar as letrinhas chatas dos comentários. Elas atrapalham muito.