COMO FUNCIONA

Este blog foi criado num Domingo chuvoso daí www.domingoamigo.blogspot.com/!

Pensando em leitores que não se animam a manter um blog pessoalmente, e os bloggers, que desejosos de atingir outros leitores, além dos seus habituais, gostariam, vez por outra, de postar num blog COLETIVO, criamos a SOCIEDADE ANÔNIMA, onde você poderá postar, sempre que tiver vontade!

Para fazer parte dos AUTORES do blog basta escrever para: cimitan@terra.com.br, solicitando sua inclusão, como membro do SOCIEDADE ANÔNIMA. Mande seu nome, e endereço de e-mail, para ser registrado. Só não pode deixar de assinar seus posts! E será responsabilizado pelo seu conteúdo.

A gerência se reserva ao direito de excluir o participante cujo comportamento não for condizente com o do grupo.

27.12.12

O Mineiro e o Queijo: Entre a Tradição e o Proibido.

É este o título do DVD de Helvécio Ratton, diretor que mostra desde o passo a passo da fabricação do delicioso queijo artesanal mineiro - da ordenha a fermentação - Aos desafios de seus personagens, até a odiosa condição em que são colocados para manter uma tradição secular, que trouxe o status de patrimônio cultural e histórico ao queijo. E bem poderia ser o principal captador de renda as milhares de famílias envolvidas em sua produção. 
Ratton com este trabalho pretende chamar a atenção para uma condição no mínimo curiosa. Uma lei federal de 1952, proíbe a circulação do queijo para fora de Minas devido as condições artesanais em que são feitos, pois este usa leite cru em seu preparo, e não leite pasteurizado, o que preconiza a lei. 


E embora outras iniciativas legislativa tenham sido tomadas desde então, pouco na prática mudou. A comercialização para fora do estado continua proibida, e o que faz a alegria gastronômica dos bares belo-horizontinos é apenas para mineiro vê e saborear com este trem bão.
O Mineiro e o Queijo, em suas cenas, mostra vários pontos. Um deles é que como é proibido comercializar a iguaria fora do estado, e a produção é grande, uma das consequências é a queda do preço e prejuízo dos artesãos. Outra muito pior, onde todos perdem é o contrabando do queijo para outros estados, que corre solto. 
Que bom seria encontrar uma solução que fosse bom para a lei, para a tradição e para o comercio. Muitas cidades pequenas na Europa e nos Estados Unidos, comercializam seus produtos alimentícios feitos também de forma artesanal sem nenhuma restrição. Como? Tolerância, bom senso e tecnologia podem estar na resposta. Quem sabe? experimente falar com qualquer um dos artesãos envolvidos.
Para saber mais: SertãoBras Conspiração Gastronômica Mundo Mix

Um comentário:

Janice Adja disse...

Uma lei ultrapassada.
O queijo de Minas é bonzinho.
Meio sem gosto, rsrsrr
Mais é bonzinho.
Beijos!!