COMO FUNCIONA

Este blog foi criado num Domingo chuvoso daí www.domingoamigo.blogspot.com/!

Pensando em leitores que não se animam a manter um blog pessoalmente, e os bloggers, que desejosos de atingir outros leitores, além dos seus habituais, gostariam, vez por outra, de postar num blog COLETIVO, criamos a SOCIEDADE ANÔNIMA, onde você poderá postar, sempre que tiver vontade!

Para fazer parte dos AUTORES do blog basta escrever para: cimitan@terra.com.br, solicitando sua inclusão, como membro do SOCIEDADE ANÔNIMA. Mande seu nome, e endereço de e-mail, para ser registrado. Só não pode deixar de assinar seus posts! E será responsabilizado pelo seu conteúdo.

A gerência se reserva ao direito de excluir o participante cujo comportamento não for condizente com o do grupo.

19.11.12

Tô Passada, Bixeine, Éééé quê! Esta Tudo no Aurélia.

Aurélia é um dicionário de expressões gays de autoria do jornalista Vitor Ângelo e do pesquisador Fred Libi, contando com 143 páginas de vocábulos frequentemente utilizados por homossexuais do mundo que falam o português, com especial destaque para o Brasil. Lançado em 2006 pela Editora da Bispa, o dicionário contém mais de 1300 verbetes. Veja abaixo alguns verbetes retirados de "Aurélia, a Dicionária da Língua Afiada":

A: art, def, fem. No mundo gay, o artigo definido feminino é, em muitos casos, anteposto a substantivos próprios ou comuns do gênero masculino, sendo que, no caso dos comuns, o substantivo ele próprio também passa, se possível, para o feminino. Ex.: A Pedro, A Mário; a prédia; a fota; a relógia; a dicionária.
Aquendar: (do bajubá) V,t,d. e intr 1-Chamar para prestar atenção, prestar atenção; 2- Fazer alguma função; 3-Pegar, roubar.   Bafo: Adj. Termo referente a algo ou alguém que causou alguma coisa. "Ex. Aquela noite foi bafo, bi!"
Bicha-pão-com-ovo: S.f. (pejorativo) 1. Homossexual pobre culturalmente; 2. Diz-se das bibinhas que não têm condições financeiras para comer na rua e levam um pão com ovo para comer na condução, na viagem de volta para casa depois da balada. Bicha-bofe: S.f Homossexual não efeminado, mas nem sempre ativo. Bixeine: Bixa festeira.

Bofe: S.m Homem heterossexual ou homossexual ativo.

Enceradeira: Bixa dançarina, que arrasa na pista de dança. Fada: Lésbica feminina e passiva. Ferver: Enlouquecer, dançar, se divertir. Furrepa: Insignificante. Irene: adj Velho. O termo é pronunciado ireeeeeeeene, como o berro de um cabrito. Isca: S.f. Mulher heterossexual que anda com homossexuais sem saber que está sendo usada para atrair homens.

Jogar o picumã- expr. Virar a cabeça, mudando os cabelos de lado, tal como as loiras fazem, só que de um modo um pouco mais inteligente e com a intenção de menosprezar ou ignorar alguém.
Jurando: (do v.t.d.i."jurar") Estar pensando ou acreditando no hype; se sentindo (Expressão usada unicamente no gerúndio).
Kátia: Bebida alcoólica.
Nuíni-nuíni: S. Coisinhas; loucurinhas.
Picumã: (do bajubá)- S.m. Peruca, cabeleira, cabelo.
Tô bege: Expressão Tô boba.
Tô boba: Expr. Tô kátia.
Tô kátia: Expr. Tô mônica.
Tô loca: Expr. Estou bem louca.
Tô loca do meu edi: Expr. Estou bem louquérrima.
Tô loca do meu edi raspado: Expr. Estou bem loucamente louquérrima.
Tô mônica: Expr. Tô passada.
Tô passada: Expr. Estou chocada.
Veja abaixo trecho da reportagem que Victor Ângelo deu a Folha de São Paulo, na ocasião do lançamento do livro. 
Para o autor Victor Ângelo, o livro foi feito por pesquisas realizadas por ele e Fred Lip há cerca de dez anos. "Começamos a perguntar para amiguinhos e amiguinhas. Conversamos com gente do Rio Grande do Sul, Pernambuco e Ceará e também com amigos portugueses. E também entrevistei travestis", explica Ângelo.
Os travestis são os responsáveis, de acordo com ele, por boa parte dos termos. "O bajubá [linguagem usada pelos travestis] é muito interessante, pois antes era um código entre eles. Quando dizem, por exemplo, "aqüenda o alibã", querem dizer cuidado com a polícia."
O tom de "Aurélia" é bastante politicamente incorreto. Na primeira página, eles já avisam: "Este dicionário não tem a pretensão de ser politicamente correto. Muitos termos são chulos e pejorativos, podendo ser ofensivos para determinadas pessoas ou grupos. Nesse caso, recomendamos a interrupção imediata da leitura".
"Não teria graça alguma fazer um livro gay politicamente correto. E também, que coisa chata ter que ser chamado de gay. É viado, é bicha. Muitos grupos ficam com essa coisa de chamar de "homossexualidade", o que é uma chatice." 
Apesar de escrito por dois homossexuais, o livro várias vezes tira sarro dos próprios gays. No verbete "piti", por exemplo, eles explicam: "Nervosismo, histeria, ataque de bichice". Apesar de tão "incorreto politicamente", parte da renda obtida será doada a instituições de apoio a soropositivos.
... Para ler a reportagem completa vá ao link da Folha de São Paulo.
Para adquirir um exemplar se procurar por Editora da Bispa, não vai encontrar fácil. Lembra do fascínio pele artigo "A"? Ainda assim você encontra no Bibliopolis.
Mas se não achar, pode ir em qualquer livraria, que vai encontrar.
Mas se preferir baixar o Look Real Comment  tem uma versão que parece estar completa. 

Fonte: 

Nenhum comentário: