COMO FUNCIONA

Este blog foi criado num Domingo chuvoso daí www.domingoamigo.blogspot.com/!

Pensando em leitores que não se animam a manter um blog pessoalmente, e os bloggers, que desejosos de atingir outros leitores, além dos seus habituais, gostariam, vez por outra, de postar num blog COLETIVO, criamos a SOCIEDADE ANÔNIMA, onde você poderá postar, sempre que tiver vontade!

Para fazer parte dos AUTORES do blog basta escrever para: cimitan@terra.com.br, solicitando sua inclusão, como membro do SOCIEDADE ANÔNIMA. Mande seu nome, e endereço de e-mail, para ser registrado. Só não pode deixar de assinar seus posts! E será responsabilizado pelo seu conteúdo.

A gerência se reserva ao direito de excluir o participante cujo comportamento não for condizente com o do grupo.

11.12.11

Eike Batista e o projeto para a Marina do Rio

De Lota@edu para Eike.Batista@com

Elio Gaspari, O Globo
Doutor Eike,
Eu sou aquela figura estourada, com óculos de fundo de garrafa e fama de maluca que convenceu o Carlos (Lacerda, para sua geração) a transformar aquilo que seria um carrascal no que é hoje o parque do Aterro do Flamengo.
Dizem que o senhor é o homem mais rico do Brasil e aspira ao título mundial da categoria. Outro dia, jogando bridge com o Deng Xiaoping, ele disse que esse tipo de láurea não traz sorte. O Deng gosta de mim porque somos do mesmo tamanho. Ele contou que um sujeito chamado Huang Guangyu fez esse número em Pequim. Tinha sete bilhões de dólares e acabou na cadeia.
O mesmo sucedeu a um tal de Khodorkovsky, o homem mais rico da Rússia, e ao indiano Sahid Balwa, que entrou consigo na lista da Forbes dos dez bilionários mais jovens do mundo.
O senhor diz que gosta do Rio. Desde 2009, é sua a concessão da Marina do Aterro. Ela fica em frente ao Hotel Glória, que também é seu. A ideia de aproximar essas duas belezas é boa, mas daqui vejo que estão fazendo coisas horríveis. Não estrague o parque, não se meta em encrencas, como o Huang, o Khodorkovsky e o Sahid.
Seu pessoal da EBX diz que, depois de um concurso internacional de arquitetos, foi escolhido um projeto do doutor Indio da Costa para vitalizar a Marina. Ele prevê uma construção de 15 metros de altura, equivalente a um prédio de cinco andares, e teria sido aprovado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.
Puras patranhas.
O negócio da EBX não é vitalizar a Marina. O que o senhor quer é construir um centro de eventos. Esse golpe vem desde 1979, quando o presidente, general João Figueiredo, presenteou maganos com um pedaço do Aterro, cancelando parcial e ilegalmente o tombamento de 1965.
Doutor Eike, sua Marina teria uma garagem subterrânea com 1.500 vagas. O senhor foi campeão mundial de off-shore e conhece o mundo do mar. Já viu marina com estacionamento para 1.500 carros?
Seu pessoal diz que o projeto do Indio da Costa venceu um concurso ao qual concorreram 33 arquitetos. Quem concorreu? Cadê os outros projetos?
A EBX diz que o Iphan aprovou um “projeto conceitual”. Isso não existe. O Conselho Consultivo do Iphan teria aprovado o tal “projeto” na sua 67ª reunião, em maio passado.
O Ministério Público do Rio pediu cópia da ata e dos estudos. Não conseguiu sequer resposta. Não existe no Iphan processo administrativo tratando exclusivamente do projeto de Indio da Costa.
A turma que lhe vendeu a concessão perdeu uma ação no Tribunal Federal Regional, que julgou a área “não edificável”. O processo foi mandado para Brasília e o caminhão que o transportava sumiu. Não sobraram sequer os pneus.
Na área da Marina, há hoje um mafuá e até um restaurante, naquela paisagem, sem janelas. O Aterro arriscava virar um lixão. Um dia, acharam por lá o braço de uma vítima de um deslizamento ocorrido em Botafogo. Durante as obras eu peguei tifo. Tentaram atravessar um projeto de outra casa de comidas, com dois andares e uma “área de exposições”.
Agora o Oscar Niemeyer desenhou um calombo para uma casa de espetáculos, associada à churrascaria Porcão. Pena. Um doidivanas quis presentear o Aterro com uma réplica da Fontana di Trevi. Chegaram a convencer o Carlos de que o parque deveria ser coberto por saibro, eu lhe disse para deixar de ser idiota, grama custa menos.
Queriam espetar 1.800 postes no pedaço. Chamei um designer americano e ele inventou os postes que estão lá até hoje. São 112. Enfrentei toda essa gente, não tenho medo de homem. Sou lésbica e, nos anos 50, usava mocassins do Moreira e camisa social com mangas arregaçadas.
Respeite o tombamento do Aterro e a memória do Iphan. O senhor pode vitalizar aquela área com um grande projeto para uma marina. O lazer no parque é grátis, não tente ganhar o dinheiro dos frequentadores com feiras e eventos.
O desmonte do Morro de Santo Antonio produziu uma glória do urbanismo brasileiro (o Aterro) e uma de suas maiores desgraças (a Avenida Chile). O senhor está no lugar certo, com a ideia errada e um método deplorável.
Meus respeitos.
Maria Carlota Costallat de Macedo Soares, sua Lota.

Nenhum comentário: