COMO FUNCIONA

Este blog foi criado num Domingo chuvoso daí www.domingoamigo.blogspot.com/!

Pensando em leitores que não se animam a manter um blog pessoalmente, e os bloggers, que desejosos de atingir outros leitores, além dos seus habituais, gostariam, vez por outra, de postar num blog COLETIVO, criamos a SOCIEDADE ANÔNIMA, onde você poderá postar, sempre que tiver vontade!

Para fazer parte dos AUTORES do blog basta escrever para: cimitan@terra.com.br, solicitando sua inclusão, como membro do SOCIEDADE ANÔNIMA. Mande seu nome, e endereço de e-mail, para ser registrado. Só não pode deixar de assinar seus posts! E será responsabilizado pelo seu conteúdo.

A gerência se reserva ao direito de excluir o participante cujo comportamento não for condizente com o do grupo.

3.1.11

O que é Heteronormatividade?

Desde pequenos somos educados a seguir rigidamente certos padrões impostos pela sociedade no que tange a nossa sexualidade. Há uma divisão comportamental, da qual meninos devem agir de uma maneira e meninas de outra. Esse modelo de educação acaba semeando os primeiros frutos da heteronormatividade, padrão canonizado de regras que acaba limitando a liberdade do outro de viver abertamente a sua sexualidade. O resultado dessa educação sexista é a formação de adultos despreparados para aceitar e/ou conviver com o “diferente”.

Mas afinal, o que significa heteronormatividade? Numa acepção etimológica da palavra, “hetero” que em Grego quer dizer “diferente” e “norma” que em Latim quer dizer “esquadro”, constituem a formação da palavra heteronormatividade, ou seja, um conjunto de ações, relações e situações praticadas entre pessoas de sexos opostos. Assim, toda uma gana de sexo, sexualidade e identidade de gênero deveriam se esquadrar dentro dos moldes da heteronormatividade, sendo esta a única orientação sexual considerada “normal”. A grande discussão em torno dessa palavra é a limitação que ela impõe aos LGBTTs(Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transex), uma vez que no ceio de sua origem há uma gana de proibições que acabam dando origem a discriminações, preconceitos e, consequentemente homofobia.


Infelizmente, para a nossa sociedade o que é correto deve estar padronizado, então os gays seriam a escória social, pois não constituem e nem tampouco integram os modelos eternalizados pelas convenções moralizadas. Por isso que tantas barreiras ainda não foram ultrapassadas pelos homossexuais. Falo do casamento gay, ou união civil, da adoção de crianças, e tantas outras coisas que esbarram na nossa heteronormativa burocracia. Ainda há muita resistência, pois a nossa sociedade não foi educada a conviver com a homossexualidade dentro da sua amplitude. Perpetuamos em nossas crianças que existem apenas homens e mulheres, ou seja, tudo o que for contrário a isso é anormal.

Partindo desse pensamento, não é dificil saber de onde surgem os atos de violência cometidos contra os gays. Nós mesmos, muitas vezes incoscientemente, somos os causadores de todos os males sociais que nossas crianças irão enfrentar na idade adulta. E isso não se restringe apenas aos homossexuais, mas a todas as outras minorias marginalizadas.

Quando dizemos aos nossos filhos que não se juntem com determinada criança por causa da cor da sua pele, estamos criando futuros racistas; quando dizemos que não queremos meninas junto com meninos, estamos ampliando o patriarcalismo que segregava as mulheres das atividades sociais; quando proibimos as nossas crianças de se misturarem a outras de classe inferior, ou seja, pobres, estamos alimentando a desigualdade social que afeta centenas de pessoas Brasil a fora. Tudo isso, de alguma forma pode afetar radicalmente a forma com que as nossas crianças enchergarão o mundo no futuro e as pessoas que nele vivem.

Em contrapartida, deixo claro que não sou contra a heteronormatividade, pelo contrário, acredito na sua importância na construção da nossa sociedade, como elemento formador da vida e de vital crucialidade na formação do ser humano. A discussão aqui é como ampliar esse conceito de heteronormatividade, enquadrando outras vertentes socias, entre as quais os homossexuais são partes constituintes. É não criar padrões solidificados para uma questão tão abrangente quanto à da sexualidade humana, abrindo um leque de possibilidades para que seja discutidos/entendidos, racionalmente a liberdade do outro em querer viver a sua sexualidade.

Como se sabe, viver abertamente a homossexualidade não é uma tarefa fácil, sobretudo numa sociedade tão heteronormativa quanto a nossa. Nela, os gays não podem casar e nem constiruir familia, ainda, pois estas ações são restritas aos heteros e estão incluidas no âmbito heteronormativo discutido há pouco.

Em linhas gerais, penso que padronizar a sexualidade humana é uma atitude muito tacanha, tamanha a homorrealidade existente em nossa sociedade. Temos que parar de enchergar os gays como minorias e começar a vê-los como uma grande massa que atua, consome, pensa, trabalha e que não é diferente de nenhum outro cidadão. Uma das atitudes mais sensatas do nosso Governo para 2011 é a criação de uma apostila que leva para a escola a problemática da homofobia e, consequentemente da sexualidade. O Brasil tem que começar a galgar passos largos nessa questão para tentar reverter o atraso mental da nossa sociedade sobre a sexualidade alheia. São avanços dessa magnitude que o nosso país precisa para sair da vala da ignorância e da intolerância, ambas cristalizadas por dogmas normativos dos quais não condizem com a realidade social da qual vivemos.

Um comentário:

Razek Seravhat disse...

Permita-me discordar,Você diz: "dogmas normativos dos quais não condizem com a realidade social da qual vivemos." Imagino que a nossa realidade social condiz com esta forma estúpida de como é tratada a questão da diversidade sexual. Haja vista, que o capitalismo prioriza sentimentos caracterizados pela possessão valorizando uma relação monogâmica onde um dos parceiros sente-se dono do outro.

Ternura sempre!