COMO FUNCIONA

Este blog foi criado num Domingo chuvoso daí www.domingoamigo.blogspot.com/!

Pensando em leitores que não se animam a manter um blog pessoalmente, e os bloggers, que desejosos de atingir outros leitores, além dos seus habituais, gostariam, vez por outra, de postar num blog COLETIVO, criamos a SOCIEDADE ANÔNIMA, onde você poderá postar, sempre que tiver vontade!

Para fazer parte dos AUTORES do blog basta escrever para: cimitan@terra.com.br, solicitando sua inclusão, como membro do SOCIEDADE ANÔNIMA. Mande seu nome, e endereço de e-mail, para ser registrado. Só não pode deixar de assinar seus posts! E será responsabilizado pelo seu conteúdo.

A gerência se reserva ao direito de excluir o participante cujo comportamento não for condizente com o do grupo.

18.7.10

Mauro Castro do TAXITRAMAS, um singular blog do escritor e taxista de Porto Alegre!

Vote em mim! (ou não)

A recepcionista do motel indicou o quarto que havia solicitado o táxi e eu entrei. O cliente já estava esperando do lado de fora. Parecia nervoso, falando ao celular. Reconheci-o de longe: um político importante. Figura de proa da política gaúcha. Quanta honra!
Ele sentou no banco da frente, fez sinal pra que eu esperasse e continuou discutindo ao telefone. Estava furioso. O carro dele (dentro da garagem do motel) não queria funcionar, ao que parece, por um problema em um rastreador mal instalado. A pessoa no outro lado da linha, responsável pela colocação do tal equipamento, estava ouvindo poucas e boas.
Enquanto o político berrava ao telefone que ia processar a empresa que instalara o dispositivo, uma menina saiu do quarto. Era muito mais nova que ele. Ela embarcou, parecendo entediada. Quando já ia dando a partida, a garota pediu que eu esperasse, pois estava vindo mais uma pessoa (?). O Político, então, colocou a mão sobre o telefone e perguntou a ela onde estava o "infeliz", ao que a guria deu de ombros.
Em seguida, saiu do quarto um rapaz. Camiseta justa, bermudas, cabelo molhado. Um pouco mais velho que a menina. Com todos dentro do táxi, finalmente partimos. O carro ficou para ser rebocado.
Na portaria, mais problemas. Enquanto o político acertava a conta, a camareira que revisava o quarto informou, pelo interfone, que haviam esquecido um "acessório" na suite. O político, indignado, não queria voltar para pegar, mas o rapaz protestou:
- Tá louco, sabe quanto eu paguei por aquele chicote?
Depois de despachar os jovens no centro, deixei o político em frente ao diretório do partido. Ele pagou a corrida, pediu-me discrição, mas não esperou que eu lhe prometesse nada, pois já estava de novo ao telefone.
Fantasia sexual não é crime, eu sei, mas já tenho em quem NÃO votar nas próximas eleições.

Um comentário:

angela disse...

Este blog tem crônicas muito interessantes e esta é das boas..rs